Mercado

A abertura do mercado de eletricidade teve início em 1995, e a partir de setembro de 2006 todos os consumidores (domésticos e não-domésticos) passaram a ter o direito de escolha do seu comercializador de eletricidade.

Em 2011, iniciou-se o processo de extinção das tarifas reguladas de venda a clientes finais de eletricidade e passaram a ser aplicadas as tarifas transitórias de venda a clientes finais. Este processo de extinção seguiu o seguinte calendário:

  • janeiro de 2011: consumidores em Muito Alta Tensão (MAT), em Alta Tensão (AT), em Média Tensão (MT) e em Baixa Tensão Especial (BTE)
  • julho de 2012: consumidores em Baixa Tensão Normal (BTN) com potência contratada superior ou igual a 10,35 kVA
  • janeiro de 2013: consumidores em Baixa Tensão Normal (BTN) com potência contratada inferior a 10,35 kVA

Os comercializadores de último recurso (CUR) passaram a aplicar as tarifas transitórias de venda a clientes finais aos consumidores de eletricidade que ainda estão a ser fornecidos no mercado regulado e não escolheram um novo comercializador. Estas tarifas estão previstas ser aplicadas até 31 de dezembro de 2025, data em que termina o período transitório (Portaria n.º 83/2020, de 1 de abril).

Em 1 de janeiro de 2018, foi estabelecido o regime equiparado ao das tarifas transitórias, de acordo com o qual qualquer cliente em BTN pode escolher um contrato de fornecimento de eletricidade com preços iguais ao mercado regulado, através do seu comercializador ou, se este não praticar um contrato com essas características, através da mudança para o CUR.

Os clientes economicamente vulneráveis continuam a ter acesso à tarifa regulada de venda a clientes finais e aos descontos sociais aplicáveis.

Mercado retalhista

Na atividade de acompanhamento e monitorização do mercado retalhista de eletricidade, a ERSE recolhe informação sobre os preços de eletricidade (Despacho n.º 18637/2010, de 15 de dezembro):

  • Os preços das ofertas comerciais (preços de referência), que são disponibilizados pelos vários comercializadores
  • Os preços faturados (preços faturados), que são enviados trimestralmente à ERSE por todos os comercializadores do mercado elétrico (comercializadores livres e comercializadores regulados)

Os preços das ofertas comerciais são divulgados pela ERSE através dos Boletins das Ofertas Comerciais e do simulador de preços de energia, que apoia os consumidores na escolha do seu comercializador. 

A ERSE divulga o Boletim do Mercado Liberalizado sobre o mercado liberalizado que inclui diversas matérias, nomeadamente as relativas à evolução do mercado liberalizado, a quotas de mercado, à intensidade de mudança de comercializador, à composição do switching ou à concentração de mercado.

A ERSE publica um relatório anual com uma análise sobre os mercados retalhistas de eletricidade e de gás natural em Portugal, contendo informação detalhada numa perspetiva anual e considerando a evolução de médio e longo prazo. Consulte os relatórios de 2019, 2018 e 2017.

Mercado grossista

Na atividade de acompanhamento e monitorização do mercado grossista de eletricidade, a ERSE recolhe informação sobre a atividade comercial realizada pelos agentes de mercado nos diferentes referenciais de mercado à vista, nomeadamente o mercado diário, o mercado intradiário (leilões e contínuo) e o mercado de serviços de sistema.

Para o efeito, a ERSE divulga informação sobre a evolução dos mercados organizados do Mercado Ibérico de Eletricidade (MIBEL), à utilização das capacidades transfronteiriças entre Portugal e Espanha e da evolução do mercado de serviços de sistema em Portugal no Boletim do Mercado Diário do MIBEL.

 

Leilões de Colocação da PRE

A partir de 2011, a ERSE ao abrigo do RRC (Diretiva n.º 5/2011) previu a existência de um mecanismo regulado de venda da energia da Produção em Regime Especial (PRE), que permitisse, por um lado, estabilizar as condições da sua colocação em mercado e, por outro, que servisse como ferramenta de aprovisionamento e cobertura do risco de preço aos comercializadores em regime de mercado - a realização de leilões de produtos a prazo (futuros) com entrega em Portugal para cobrir as necessidades de fornecimento e o risco de preço dos agentes que atuam no sistema elétrico português.

Este mecanismo foi alterado, com a publicação da Diretiva n.º 11/2019, na qual se destaca a possibilidade de participação no mecanismo a outras entidades vendedoras que adquiram energia produzida em regime especial sem tarifa garantida, com exceção da grande hídrica e da cogeração, bem como a possibilidade de comercializadores de menor dimensão adquirirem contratos com um tick de negociação de 0,1 MW, inferior ao padrão de 1 MW, os designados contratos mini, permitindo, desta forma, que estes comercializadores possam beneficiar de um instrumento de cobertura de risco adequado à dimensão da sua carteira.

Neste contexto, a ERSE realiza com base em comunicados de programação anual e convocatórias prévias a todos os Leilões de colocação de energia de PRE, publicando os seus resultados, conforme estabelecido no quadro regulamentar vigente.

 

Leilões de Aquisição do CUR

Na alteração regulamentar do Regulamento de Relações Comerciais do Setor Elétrico de 2011, a ERSE previu a existência de um mecanismo regulado de contratação de energia elétrica que permitisse, por um lado, estabilizar as condições da sua aquisição em mercado e, por outro, que servisse como ferramenta de aprovisionamento e cobertura do risco por parte do Comercializador de Último Recurso (CUR).

A operacionalização de tal mecanismo é efetuada através de regras gerais, ao abrigo do Regulamento de Relações Comerciais do Setor Elétrico (Diretiva n.º 13/2019), que consiste na realização de leilões abertos à participação de outros comercializadores em regime de mercado, no caso de existir liquidez suficiente por parte da oferta e desde que o CUR atinja os seus objetivos de aprovisionamento.

Neste contexto, a ERSE realiza com base em comunicados de programação anual e convocatórias prévias a todos os Leilões para a contratação a prazo de energia elétrica pelo CUR, publicando os seus resultados, conforme estabelecido no quadro regulamentar vigente.

Leilões IPE

Nos termos do Manual de Procedimentos do Mecanismo de Gestão Conjunta da Interligação Portugal-Espanha aprovado pela Diretiva n.º 10/2018, de 10 de junho, com as alterações introduzidas pela Diretiva n.º 1/2019, de 7 de janeiro, e de acordo com as regras de atribuição harmonizadas estabelecidas no âmbito do Regulamento (UE) 2016/1719, incluindo os requisitos regionais e os requisitos específicos de fronteiras de zona de ofertas, o operador da rede de transporte, na qualidade de emitente dos direitos financeiros de capacidade de interligação entre Portugal e Espanha (denominados de FTR – Financial Transmission Rights), participa nos leilões organizados pelo JAO - Joint Allocation Office que funciona como Single Allocation Platform (SAP) para todos os operadores de rede de transporte que operam em conformidade com a legislação europeia.

Para mais informação consulte o site do JAO.