Carregamento

Os utilizadores de veículos elétricos podem carregar os seus veículos de dois modos distintos:

  • Utilizando uma tomada ou um ponto de carregamento de uma instalação elétrica, sendo o veículo mais um consumo da instalação, não se distinguindo dos restantes consumos.
  • Utilizando um ponto de carregamento integrado na rede de mobilidade elétrica.

Os pontos de carregamento ligados à rede da mobilidade elétrica, embora entreguem energia elétrica, estão dissociados da rede pública de distribuição de energia elétrica e do modelo de agentes e de relacionamentos comerciais do setor elétrico.

 


Relações comerciais essenciais

 

Os utilizadores do veículo elétrico (UVE) estabelecem contratos com os comercializadores para a mobilidade elétrica (CEME) para o serviço de carregamento, devendo a Entidade Gestora da Rede de Mobilidade Elétrica (EGME) garantir o fluxo de dados necessários à faturação desses contratos no contexto da mobilidade elétrica. Assim, um UVE dirige-se a um ponto de carregamento e identifica-se (com um cartão ou através de uma App) o que permitirá que o carregamento lhe seja faturado pelo seu CEME ao preço que contratou.

O preço pago pelo UVE reflete diversos custos, designadamente: i) eletricidade, redes de energia elétrica e comercialização (parcela CEME) e ii) a utilização dos pontos de carregamento (apesar de cobrado pelo CEME, este valor e depois entregue aos operadores de ponto de carregamento onde o veículo foi carregado).

A EGME e o ORD trocam informação com vista à imputação dos consumos na Rede da Mobilidade Elétrica a carteiras de comercialização de comercializadores do setor elétrico (CSE). Nada impede que o CSE e o comercializador da mobilidade elétrica (CEME) sejam uma mesma entidade.

Os pontos de carregamento em via pública ou em espaços privados de acesso público têm de estar integrados na rede de mobilidade elétrica.